segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Buenos bares pt. 14

Berna Brothers (Zapiola, 1.502, Colegiales) - Em uma noite congelante de sábado estávamos procurando um lugar não muito longe de casa pra comer hambúrguer e por acaso encontramos no Google maps o Berna Brothers. Sim, sim, outra cervejaria artesanal. O ambiente é minúsculo, porém um pouquinho diferente das outras 1.352 cervejarias artesanais de Buenos Aires. A música é boa, mas a cerveja é mais do mesmo e os hambúrgueres não tinham muito gosto a coisa alguma. Eu sei que tinha prometido não frequentar mais cervejarias artesanais novas, eu sei. Nem leia o que vem abaixo.

Berna Brothers
The Temple Centro (Marcelo T Alvear, 945) - Para quase tudo na vida há uma explicação, e há uma também para eu ter ido ao Temple Centro anos depois de ter ido e confirmado a falta de graça das sucursais de Palermo e Recoleta. Fomos ao Mundo Lingo, de novo, dessa vez levando amigos. A unidade do centro, talvez a mais clássica de todas, mantém a proposta Irish Pub dos primórdios, diferente das novas que os donos foram espalhando pela cidade. O lugar é enorme e o personal é inversamente proporcional a isso. Pelo menos meia hora é o que você vai levar para comprar uma cerveja, que agora é de fabricação própria e não é lá grandes coisas.

Blest (Gorriti, 4857, Palermo) - Fui ao Blest em horário de after office para a despedida de um colega, não tinha muitas expectativas, mas apesar de todo o clichê usual tenho que admitir que a cerveja é uma das melhores que tomei. Como voraz consumidora do tipo Honey, essa foi a única que provei e que realmente tinha o gosto que se propõe, sem obviamente ser doce. O melhor é que como chegamos cedo, tínhamos 50% de desconto por uma hora e meia.

1516 (Cabrera, 5225, Palermo) - Na semana seguinte, outro after office para a despedida de outro colega. Novamente baixas expectativas, só que dessa vez atingidas com sucesso. O lugar é enorme, sem muita personalidade, tem cervejas artesanais de diferentes marcas, uma Honey medíocre, e o “happy hour” com valor fixo (e bastante alto, diga-se de passagem) faz com que não valha muito a pena estar ali. Mas o que mais me indignou foi o banheiro, cujos cubículos são separados por vidros transparentes texturizados, permitindo que você acompanhe todos os passos da colega ao lado durante suas necessidades - e ela os seus, claro. Para não dizer que é um completo desastre, a música é apropriada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário