quinta-feira, 24 de maio de 2018

Buenos bares pt.13

Strange Brewing (Delgado, 658, Colegiales) - Já havíamos passado em frente algumas vezes, até que um sábado, depois de comer sanduíche em uma parrilla de Colegiales, decidimos ir para tomar uma cerveja. Uma só, pois regime de austeridade. Quando se vê o Strange Brewing de fora não dá pra ter muita noção do que é dentro. Tipo, te dá uma ideia, mas ela é equivocada. Não dá pra perceber que o bar é literalmente um galpão de fábrica gigante, e digo literalmente pois é ali mesmo, atrás da barra, que eles fabricam a cerveja. Tanques enormes de inox estão a vista de todos e as paredes exibem fotos de como o lugar era antes e de todo o processo de reforma para que, mais que uma fábrica, ele fosse também um bar meio hipster, com luminárias, mesinhas e poltronas. Por ser um galpão, com direito a buracos no telhado de zinco, se torna difícil instalar um ar condicionado, e os ventiladores gigantes não dão conta do verão porteño, então ainda que eu fosse rica, não ficaria para o segundo copo, pois #transpiração. A variedade de cervejas não é muito grande, mas tomei uma de café que estava muito boa.

Barra feita com livros no Strange Brewing

Trova (Emilio Ravigani, 1710, Palermo) - Trova é um Wine Bar e a única razão pela qual fomos é porque estávamos entediados em meio a um feriadão e decidimos ir ao Mundo Lingo, que ocorre ali todas as sextas-feiras. Não que eu tenha algo contra o vinho, pelo contrário, mas é que não vejo muito sentido em pagar muitíssimo mais caro pelo mesmo vinho que compramos nos supermercados chinos. A variedade de rótulos é razoável e você pode pedir garrafa ou taça, que definitivamente não vale a pena, mas se seu pai está na lista da Forbes e você gosta de provar distintos vinhos, vai fundo.

La Calle (Niceto Vega, 4942, Palermo) - Nos dias que sobraram das férias, já de volta a Buenos Aires, decidimos ir outra vez ao Mundo Lingo, dessa vez numa quarta-feira, no deprimente bar Soria, e foi tão deprimente que 20 minutos depois já estávamos na rua decidindo para que outro bar iríamos. Optamos pelo La Calle. O bar é oculto atrás da pizzaria La Guitarrita de Palermo, mas quando você chega em um certo horário e com certo look, eles já notam que você vai entrar no bar, te abrem a porta e nem precisa dizer nada. Nesse dia estava vazio, só duas mesas ocupadas, e, claro, sentamos na barra porque quase sempre preferimos a barra. Tomamos só um trago cada um, muito bem feito e bem apresentado. Os preços variam normal a alto, a música é ótima e a ambientação também. Provavelmente voltaremos.

Tragos do La Calle

Ceski (Echeverría, 2589, Belgrano) - Numa noite fria de sábado decidimos finalmente conhecer essa cervejaria que abriu há uns meses a algumas quadras de casa. Pedimos duas cervejas - eu pedi uma Honey, pois sou uma #HoneyHunter - e batata frita com cheddar e subimos para a terraza, que estava quase vazia. Se entende, tamanho frio que fazia. A cerveja estava ok, nada extraordinário, e a batata frita era tipo rústica - ou seja, típica batata frita de quem não sabe fazer batata frita. Agora, por favor, parem de abrir cervejarias artesanais em Buenos Aires. Chegamos ao limite, estamos bem com as que temos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário