terça-feira, 16 de agosto de 2016

Nós, uma chocotorta e Gustavo Cerati

Domingo passado, voltando de Hurlingham com o boy (cidade onde vive minha suegra) decidimos finalmente passar pelo cemitério da Chacarita, aproveitando que fica ao lado da estação de trem Federico Lacroze, onde descemos. Eu sempre quis conhecê-lo, não só porque aquela entrada imponente me enchia os olhos sempre que passava por ali, mas porque é onde está Gustavo Cerati – além de outras personalidades que não foram ao balado cemitério da Recoleta.
Os portões fechavam às 17h e entramos às 16h20 (sem analogias). Já nos primeiro metros percorridos nos demos conta que possivelmente não encontraríamos o túmulo de Gustavo até a hora de fechar e passaríamos a noite em cima de alguma tumba. O lugar é realmente enorme. O cemitério da Recoleta é brincadeira de criança perto desse. E digo mais, é tão interessante quanto o outro.
Tínhamos uma ideia bastante vaga de onde era, mas bem vaga mesmo. Na verdade só sabíamos que era uma gaveta e que não ficava ao ar livre. Depois de percorremos alguns túmulos e chegar a um lugar que poderia ser, apesar de feio e mal cuidado, decidimos perguntar. Não era ali, obviamente. Ficava do outro lado. Mas lá fomos nós, com uma chocotorta na mochila.
Eram 16h39 quando finalmente achamos o lugar. Um prédio de dois andares com aroma de rosas, piso brilhante, flores, muitas flores, centenas de túmulos-gavetas e um cartazinho dizendo que às 16h45 é ativado o alarme. Percorremos o primeiro andar, nada de Cerati. As 16:42 perguntamos a um guarda onde ficava o tumulo. Muito simpático e atencioso nos explicou que ficava no segundo andar. “Está cheio de flores, não tem erro. Mas vão rápido porque já vamos ativar o alarme”, disse. Agradecemos e subimos as escadas feito dois loucos.

Infinito.
 A maioria das gavetas tinha flores, mas a de Cerati tinha mais. Era seu aniversario dois dias antes e ele deve ter recebido algumas visitas pela data. E então estávamos ali, o mais perto de Gustavo que poderíamos chegar. O túmulo é meio sem graça, mas os restos deste ser absolutamente genial estavam aí. Eu nunca tinha chegado tão perto de um ídolo tão grande. E nunca foi tão triste. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário